PERDA DE PESO E A DIETA FLEXÍVEL

Numa época em que muito se fala sobre fitness, onde “todos” queremos transformar o nosso corpo, mas não nos queremos privar de “nada” parece que de repente o conceito de dieta flexível, tornou-se um milagre, uma revolução que nos permite atingir os nossos objectivos sem aparentemente abdicar das coisas que mais gostamos. Mas será mesmo assim? :/

PERDER PESO COM A DIETA FLEXÍVEL 

É importante frisar que existem várias nuances a este conceito de alimentação, mas a dieta flexível é mais conhecida do que pensamos, na realidade não é muito diferente da comida que a nossa mãe ou avó faz em casa. Aquela comidinha gostosa sem grandes manhas e com tempero tradicional, é isso mesmo comer de tudo com conta e medida, pão, massa, arroz, legumes (no nosso caso evitamos ao máximo, alimentos processados e gordurosos, não nos referimos as goduras boas) como podem ver não é nenhuma novidade.

A COMIDA NÃO ENGORDA

Sim é verdade! a comida não engorda, seja ela mais ou menos saudável ou melhor dizendo mais ou menos processada, o que engorda é o excesso dela, da mesma forma como o que emagrece é o défice calórico. Foi mantendo um défice, em alturas chaves, que consegui  ao logo do tempo atingir os meus objectivos.

 

Bem vou fazer um parêntesis para frisar que este tema é centrado na minha opinião pessoal enquanto adepta da dieta flexível, (já falamos sobre isto aqui neste vídeo). Não sou profissional na área, cédulas profissionais são coisas do Filipe (que não exerce por opção) sou apenas alguém que há muito anda em busca do shape perfeito (dentro do meu padrão de perfeição).

 

PERDA DE PESO PROGRESSIVA

No meu caso, sendo atleta de força, powerlifting, sei que todo o processo de transformação corporal, vai ter um impacto direto na minha performance desportiva, portanto não me é possível fazer um corte calórico tão drástico, como os que fazem por exemplo atletas de culturismo, ainda assim aproveito todas as fazes off das competições de powerlifting para baixar o meu percentual de gordura corporal o máximo que me for possível sem prejudicar os meus objetivos desportivos e a minha sanidade mental 😛 kkkk não lido muito bem com a fome (mau humor do caraças).

No entanto sei que toda a transformação corporal é uma questão de matemática ( criar um défice entre o Gasto calórico diário e a ingestão calórica diária). (link )

E é aqui que devemos ter em atenção o grau de flexibilidade da nossa dieta! Atenção que não estou falar que para atingir objectivos devemos restringir a nossa alimentação apenas a determinados alimentos ( as comidinhas consideradas fitness) mas sim “limitar-mos” a nossa ingestão calórica dentro nos números estipulados, e que nos permitem atingir o nosso objetivo estético de uma forma mais rápida, quem nos acompanha pelas redes sacias (facebook,  insta e youtube) sabe bem que comemos de tudo, com o máximo variedade possível, mas com escolhas inteligentes (link).

 

NÃO EXISTEM MILAGRES 

Matematicamente falando…

Qualquer pessoa que crie um défice diário na alimentação de por exemplo 500kcal, estas 500 kcal equivalem a uma perda de  +/- a 55gr de gordura diárias, que por sua vez, ao longo de uma semana, se traduz num total de 388 gramas de gordura. Mas é preciso ter em conta que as vezes num “cheat meal” na semana comes mais de 2000kcal, logo essa refeição fora da rotina vai anular o efeito do défice da semana toda, ou seja um cheat meal louco (ingestão exagerada de calorias) não faz muito sentido para alguém que queira perder peso progressivamente.

Apenas faz sentido numa vertente mais psicológica da coisa, e para quem tem uma dieta super restrita, porque para quem é flexível….. ler sobre este assunto aqui

Obviamente não nos estamos a esquecer que há também a adaptação do corpo ao corte de calorias, o metabolismo pode abrandar bla bla bla Nestes casos, na nossa opinião, o melhor remédio é aumentar o gasto calórico diário através de exercício físico. Numa hora de cardio podemos gastar +/- 400kcal / 500kcal, conforme a intensidade, logo ao longo do tempo os resultados serão melhores…

Mas o que isso tem que ver com flexibilidade na dieta?

Tudo e nada! Dentro da quantidade de calorias que posso ingerir, comer um ou outro alimento mais ou menos processado não vai fazer grande influencia no meu objectivo estético, desde que não ultrapasse as calorias diárias definidas (sem entrar em paranóia e contagem de todas as gramas, e andar agarrada a balança).

O que é certo é que a medida que vamos evoluindo (no nosso objectivo físico) vai-se tornando cada vez mais difícil manter uma evolução constante, e se por um lado é bom sermos flexíveis por outro é importante ter consciência que para continuar a evoluir, ou melhor para manter-mos uma evolução constante temos de segurar as rédeas do nosso apetite e escolher bem o que pomos a boca.. e as vezes é necessário apertar um pouco mais.

Sem comprometer o nossa saúde psicológica, há que ter flexibilidade para conseguir sair da rotina e comer um doce à mais num dia, ou jantar fora em outro dia sabendo de antemão que provavelmente não vamos conseguir contabilizar as macros ingeridas nesse jantar (até porque é difícil determinar a totalidade das calorias dos ingredientes utilizados para confeccionar a nossa refeição).

No entanto, não nos podemos esquecer que NÃO EXISTEM MILAGRES e se estivermos determinados a atingir um objetivo estético em determinado tempo, sair dos eixos todos os dias, mesmo que seja só um pouquinho, simplesmente não vai ajudar.

Uma “pequena” asneira diária pode significar +500kcal, anulando possibilidade de perder gordura qualitativamente, pois quem esta em restrição diária de 500kcal ou 600kcal para perder gordura, supostamente não tem espaço para encaixar “lixo” na alimentação sem cortar em nutrientes de melhor qualidade…

Podemos adaptar?? obviamente, mas o que será mais benéfico, comer algo que nos deixe bem saciados ou satisfazer todos os impulsos sobre a “desculpa” da flexibilidade?..

Não há respostas certas nem erradas, tudo depende do grau da nossa determinação.

 

CONTAGEM DE MACROS / FUGIR A ROTINA

Provavelmente algumas pessoas se devem estar a perguntar.

Mas vocês pesam a comida? contam macros?
– Sim e não, no início quando desconhecemos alguns alimentos é normal usar a balança, mas a partir do momento, em que sei se uma colher de sopa (das minhas) cheia de arroz tem 20 gramas, mas se for de aveia apenas tem 10grs não vejo grande utilidade em pesar o arroz cada vez que tiver de cozer ou aveia para fazer panquecas ou outras receitas. saber calcular a olho é uma excelente ferramenta.

Nunca saem da rotina? E jantar fora como fazem,?

Se vou jantar fora, vou para aproveitar uma boa refeição, não piro. Se quiser comer um doce como e pronto, também não piro.

Sei que tenho uma janela de oportunidade todos os anos para dar o meu melhor e sei que É TUDO UMA QUESTÃO DE DETERMINAÇÃO E ESCOLHAS.
posso decidir dar o meu melhor a 100% ou então dar uma relaxada, mas tenho plena consciência que estou apenas a atrasar o meu objetivo e depois não adianta ficar espantada quando vejo que não há evolução, no entanto acho que o ideal é ter um estilo de vida EQUILIBRADO e sustentável.

HOW BAD DO YOU WANT IT??

E é isso, espero que o tema seja elucidativo para alguém desse lado

Beijinhos Etelvina 

Written by admin